quarta-feira, 28 de maio de 2014

O IMPERADOR AUGUSTO – CAIO OTÁVIO TURINO - The Emperor Augustus - Gaius Octavius ​​Thurinus

  Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara

DIVI AUGUSTI IMPERATORIS

         Quando Júlio César foi assassinado em Roma, Otávio tinha apenas dezenove anos. Para estabelecer seus laços de parentesco com o grande general e ditador Júlio César é preciso lembrar que o jovem Caio Otávio era neto de Júlia, irmã do general Júlio, portanto sobrinho neto do grande político romano.
         A mãe de Caio Otávio era Átia e seu pai Caio Otávio. Seu nome de nascimento era Gaius Octavianus Thurinus. Primeiramente, comecemos pela sua mãe Átia (Atia Balba Caesonia), filha de Marco Átio Balbo (Marcus Atius Balbus) e Júlia Menor (Iulia Minor), irmã mais nova de do grande Júlio César.


DIVUS IULIUS CAESAR 

         A gens Iulia, segundo uma antiga tradição, era descendente de Iulo (Iulus) (Ascânio), filho Eneias, lendário herói troiano que teria sido o antepassado divino de Rômulo. Eneias seria, segundo o mito, filho de Anquises e da deusa Vênus. Assim, a mãe do imperador era conhecida em Roma como Átia dos Júlios (Atia Iulii).

         O pai de Augusto, Caio Otávio (Gaius Octavianus), provinha de uma família da ordem equestre, portanto, embora rico, não era patrício. A elite romana dividia-se em duas classes: os patrícios e os cavaleiros. Pertenciam à classe dos patrícios, os descendentes dos presumíveis fundadores da cidade (patres patriae, pais da pátria).
         Os cavaleiros, da ordem equestre, eram ricos comerciantes, cujos antepassados se caracterizavam por terem condições de aparelharem cavalos para a guerra. Muitos deles eram de origem etrusca, dos Tarquínios (Tarquinii), que formaram a última família real na primeira monarquia romana.
         A família dos Otávios (gens Octavii) pertencia, portanto à ordem equestre, com a qual os patrícios dividiam o direito de serem cônsules da República Romana. No último período da República, esse direito foi estendido até mesmo à plebe.
         Caio Otávio era órfão de pai desde os quatro anos e foi criado pela avó Júlia Menor, que era irmã de seu tio avô Júlio César. Quando Júlio foi assassinado, deixou-lhe em testamento sua fortuna pessoal, bem como sua herança política, ou seja, os cargos a que lhe fossem legados por direito de família. Em função disso, sua situação equivalia a de um filho adotivo do tio, assumindo o nome de Caio Júlio César Turino (Gaius Iulius Caesar Thurinus).
         O cognome Turino (Thurinus) foi-lhe dado por seu pai Gaius Octavianus, após ter vencido uma batalha em Thurii, cidade na baía de Tarento, no sul da Itália, em português Túrio. Foi a sufocação de uma revolta de escravos. Os nomes próprios em Roma eram compostos de três partes: o prenomen, que correspondia ao nosso nome; o nomen, correspondendo ao nosso sobrenome; e o cognomen, correspondente aos nossos apelidos. O prenomen era Gaius , o nomen era Octavianus e o cognomen era Thurinus.

         O senado, quando Octavianus assumiu o poder de imperador, atribui-lhe o título de Augustus, que significa consagrado. Depois dele, os imperadores romanos passaram também a usar esse título. Assim, como imperador, seu nome passou a ser Caio Júlio César Augusto Otaviano (Gaius Iulius Caesar Augustus Octavianus).

GAIUS IULIUS CAESAR AUGUSTUS OCTAVIANUS